sexta-feira, 7 de novembro de 2008

sexo

teu corpo

submisso

grita-me ao ouvido

para que não pare…

nossos corpos

enrolados

em latidos

incontidos

de prazer

desaguam em fontes

do nosso querer…

sóbrios momentos

escaldantes

jorram o prazer

dos instantes

do nosso ser…


amar-te-ia outra vez!




GE3 em: 12/10/2008

2 comentários:

Vieira Calado disse...

Vejo que se trata dum blog jovem.
Daqui vai o meu incentivo para continuar.

;)

Um abraço

Vera disse...

A-D-O-R-O este poema! Belíssimo!!!

:)

Beijo