segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

lenta(..)mente

um punhal
uma ferida

na vida que se acabou…

Um comentário:

Marta Vasil disse...

Se um punhal matar a vida que se não quis, valeu a pena a punhalada.

Que a "lenta(...)mente" se torne "rapida(...)mente" para a reconstrução do sentido da nova vida.

Bom pensamento amigo. Será que o entendi?

Um abraço

MV