segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

bolas de sabão

não escrevo nada
e vejo bolas de sabão
fugirem-me da mão.

não escrevo bolas de sabão
e vejo nadas
escritos pela mesma mão...

2 comentários:

Vera disse...

Escreves muito mais do que bolas de sabão, e mesmo estas, que se desfazem nas mãos, têm uma beleza ímpar!

Beijo

Tentativas Poemáticas disse...

Amigo José António
Fico fascinado com estes poemas curtos mas a dizerem tanto...
No cabeçalho do meu blogue está um Prémio que também é seu.
Um grande abraço.
António